17 de setembro de 2017

Bibliografia

DOWNLOAD DO PDF

 

Capítulo 1

BAUMAN, Z. Trabajo, consumismo y nuevos pobres. Barcelona: Gedisa, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

______. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente. Diário Oficial, Brasília, DF, 16 jul. 1990 e retificado em 27 set. 1990.

______. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, DF, 03 out. 2003.

______. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial, Brasília, DF, 07 jul. 2015.

DUMAZEDIER, J. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mudança demográfica no Brasil no início do século 21. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

MARCELLINO, N. C. Lazer e educação. Campinas: Papirus, 1987.

MELO , V. A. de. Esporte e lazer: conceitos. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948.

UNDP. United Nations Development Programme. The Real Wealth of Nations: Pathways to Human Development. New York: UNDP, 2010, p. 24.

 

Capítulo 2

ALKIRE, S.; DENEULIN, S. An Introduction to the Human Development and Capability Approach. London: Earthscan, 2009, p. 20-28.

ALMEIDA, D. M. F. de; et al. Atividades físicas e esportivas e populações tradicionais. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BECK, U. Risk Society: Towards a new modernity. London: Sage, 1992, p. 137.

HAQ, M. ul. El paradigma del desarrollo humano – Otro Desarrollo. [S.l. : s.n.]: 1990, p. 3-4.

HONNETH, A. El derecho de la libertad: esbozo de una etnicidad democrática. Buenos Aires: Katz Editores, 2014, p. 46-88.

SEN, A. K. Commodities and Capabilities. Amsterdam: North Holland, 1985, p. 10.

______. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Relatório do Desenvolvimento Humano 2013 – A Ascensão do Sul: Progresso Humano num Mundo Diversificado. Nova Iorque: PNUD, 2013, p. 5.

UNDP. United Nations Development Programme. The Revolution for Gender Equality. New York: UNDP, 1995, p. 1.

______. United Nations Development Programme. The Real Wealth of Nations: Pathways to Human Development. New York: UNDP, 2010, p. 25.

______. United Nations Development Programme. Human Development Report 2016 – Human Development for Everyone. New York: UNDP, 2016.

 

Capítulo 3

AULETE, C. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. 3ª ed. Rio de Janeiro: Delta, 1964.

BARBERÍA, J. L. Correr sem freio: o bilionário mercado das corridas pelo mundo. El País. S.l., 6 set. 2016. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2016/09/05/deportes/1473100696_996077.html>. Acesso em: 21 abr. 2017.

BAUMAN, Z. La globalización: consecuencias humanas. Madrid: Fondo de Cultura Económica de Espanha, 1999.

______. Community: Seeking Safety in an Insecure World. Cambridge: Polity Press, 2002.

BERTEVELLO , G. Academias de ginástica e condicionamento físico: sindicatos & associações. In: DA COSTA, L. (Org.). Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Confef, 2006. p. 63-64.

BETTI, M. Por uma teoria da prática. Motus Corporis, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 73-127, dez. 1996.

______. A janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus, 1998.

______. Esporte, televisão e espetáculo: o caso da TV a cabo. Conexões: Educação, Esporte, Lazer, Campinas, n. 3, p. 74-91, dez. 1999.

______. Imagem e ação: a televisão e a educação física escolar: In: BETTI, M. (Org.). Educação física e mídia: novos olhares, outras práticas. São Paulo: Hucitec, 2003, p. 96-97.

BING. Disponível em: <https://www.bing.com>. Acesso em: 14 nov. 2016.

BRACHT, V. Educação física/ciências do esporte: que ciência é essa? Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Maringá, v. 14, n. 3, p. 111-118, maio, 1993.

______. A constituição do campo acadêmico da educação física: a busca da autonomia pedagógica. In: BRACHT, Valter. Educação física & ciência: cenas de um casamento (in)feliz. Ijuí: Ed. Unijuí, 1999, p. 15-26.

BRASIL. Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, DF, 02 set. 1998.

______. Lei nº 9.696, de 1º de setembro de 1998. Dispõe sobre a regulamentação da Profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselho Federal e Conselhos Regionais de Educação Física. Diário Oficial, Brasília, DF, 02 set. 1998.

______. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2016, Edição Extra.

CAPINUSSÚ, J. M. Academias de ginástica e condicionamento físico: origens. In: DA COSTA, L. (Org.). Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Confef, 2006, p. 61-62.

CASPERSEN, C. J.; POWELL, K. E.; CHRISTENSON, G. M. Physical Activity, Exercise and Physical Fitness: Definitions and Distinctions for Health-Related Research. Public Health Reports, Boston, v. 100, n. 2, p. 126, march/april, 1985.

CENTRO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE DE INFOR MAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Biblioteca Regional de Medicina). Disponível em: <bvsalud.org>. Acesso em: 14 nov. 2016.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da educação física. São Paulo: Cortez, 1992. p. 38.

COSTA, L. P. da. Diagnóstico da Educação Física/Desportos no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Fundação Nacional de Material Escolar, 1971.

DAMICO, J. G. S.; KNUTH, A. G. O des(encontro) das práticas corporais e atividade física: hibridizações e borramentos no campo da saúde. Movimento, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 329-350, jan./mar. 2014.

DAOLIO , J. Educação física e o conceito de cultura. Campinas-SP: Autores Associados, 2004, p. 2.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2007.

EICHBERG , H. Problems of future research in sports sociology: a revolution of body culture. International. Review for the Sociology of Sport, Los Angeles, v. 30, n. 1, p. 1-19, 1995.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3ª ed. Curitiba: Positivo, 2004.

FURTADO, R. P. Do fitness ao wellness: os três estágios de desenvolvimento das academias de ginástica. Pensar a Prática, Anápolis, v. 11, n. 2, p. 1-11, jan./abr. 2009.

GABRIEL, K. K. P.; MORRO W, J. R.; WOOLSEY, A. T. Framework for Physical Activity as a Complex and Multidimensional Behavior. Journal of Physical Activity and Health, S.l., v. 9, suppl. 1, p. 11-18, 2012, jan. 2012.

GALATTI, L. R. Atividades físicas e esportivas, desenvolvimento humano e esporte de alto rendimento. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

GONZÁLEZ, F. J. Bases sociais das disposições para o envolvimento em práticas de movimento corporal no tempo livre. Porto Alegre: Orquestra, 2013.

______. Práticas corporais e o sistema único de saúde: desafios para a intervenção profissional. In: GOMES, I. M.;

FRAGA , A. B.; CARVALHO, Y. M. de. (Org.). Práticas corporais no campo da saúde: uma política em formação. Porto Alegre: Rede Unida, 2015, p. 137.

GOOGLE. Disponível em: <https://www.google.com.br>. Acesso em: 14 nov. 2016.

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa 1.0. São Paulo: Instituto Antônio Houaiss, Objetiva, 2001.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Instituto Antônio Houaiss, Objetiva, 2009.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Ed. Unijuí, 1994, p. 68.

LAZARO TTI FILHO, A.; ANTUNES, P. de C. A. Práticas corporais. In: GONZÁLEZ, F.; FENSTERSEIFER,

P. E. Dicionário critico de educação física. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014, p. 522-528.

LAZZARO TTI FILHO, A. et al. O termo práticas corporais na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da Educação Física. Movimento, v. 16, n. 1, p. 12-29, jan./mar. 2010.

LIPOVETSKY, G. The Empire of Fashion: Dressing Modern Democracy. Princeton: Princeton University Press, 1994.

MAFFESOLI, M. Elogio da razão sensível. 2ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

MALINA, R. M; LITTLE, B. B. Physical Activity: The Present in the Context of the Past. American Journal of Human Biology, S.l., v. 20, p. 373-391, jul./ago. 2008.

MANOEL, E. de J.; CARVALHO, Y. M. Pós-graduação na educação física brasileira: a atração (fatal) para a biodinâmica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 389-406, maio/ago. 2011.

MELHORAMENTOS. Novo Dicionário Brasileiro Melhoramentos Ilustrado. 5ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1969.

NETTLETON, S.; GREEN, J. Thinking about changing mobility practices: how a social practice approach can help. Sociology of Health & Illness, v. 36, n. 2, p. 239-251. Feb. 2014

NOVA CULTURAL. Grande Dicionário Larousse Cultural da Língua Portuguesa. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

PEDRÁZ, M. V. Cultura física. In: GONZÁLEZ, F.; FENSTERSEIFER, P. E. Dicionário crítico de educação física. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014, p. 175.

PICH, S. Cultura corporal de movimento. In: GONZÁLEZ, F.; FENSTERSEIFER, P. E. Dicionário crítico de educação física. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014, p. 163-165.

PIMENTEL, G. Esportes na natureza e atividades de aventura: uma terminologia aporética. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 687-700, jul./set. 2013.

ROSA, S.; LETA, J. Tendências atuais da pesquisa brasileira em educação física. Parte 1: uma análise a partir de periódicos nacionais. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 121-134, 2010.

______. Tendências atuais da pesquisa brasileira em Educação Física Parte 2: a heterogeneidade epistemológica nos programas de pós-graduação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 7-18, 2011.

SAMPA ONLINE. Academias de Ginástica em São Paulo (SP). Disponível em: <http://www.sampaonline.com.br/comercios/academias.php>. Acesso em: 21 abr. 2017.

SCIENTIFIC LIBRARY ONLINE. Disponível em: <www.scielo.org>. Acesso em: 14 nov. 2016.

SOARES, C. L. Educação física: raízes europeias e Brasil. São Paulo: Autores Associados, 1984.

THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria crítica na era dos meios de comunicação de massa. 2a ed. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 176.

UN. United Nations. Sport for Development and Peace: Towards Achieving the Millennium Development Goals. Report from the United Nations Inter-Agency Task Force on Sport for Development and Peace. New York: UN, 2003.

______. United Nations. Sport and Sustainable Development Goals. Office on Sport for Development and peace. 2014. Disponível em: <https://www.un.org/sport/content/why-sport/sport-and-sustainable-development-goals>. Acesso em: 21 abr. 2017.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Carta internacional da educação física, da atividade física e do esporte, 1978. UOL. Disponível em: <www.uol.com.br>. Acesso em: 02 ago. 2016. Acesso em: 21 abr. 2017.

 

Capítulo 4

ALTMANN, H. Atividades físicas e esportivas e mulheres no Brasil. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

BOTTENBURG , M.; RIJNEN, B.; STERKENBURG , J. Sports participation in the European Union: Trends and differences. Nieuwegein: Arko Sports Media, 2005.

BRASIL. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde/Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde, 2015.

______. Diesporte: Diagnóstico Nacional do Esporte – Caderno 2. Brasília: Ministério do Esporte, 2016.

CERIN E., LESLIE E. How socio-economic status contributes to participation in leisure time physical activity. Social Science and Medicine, v. 66, p. 2596-609, 2008.

COLLINS, M.; KAY, T. Sport and Social Exclusion. 2ª ed. London: Routledge, 2014.

DEMAREST, S.; et al. Educational inequalities in leisure-time physical activity in 15 European countries. European Journal Public Health, v. 24 (2), p. 199-204, 2014.

DIRECTORATE-GENERAL FOR EDUCATION AND CULTURE. European Commission. Special Eurobarometer 412 “Sport and physical activity”. Bruxelas: 2014.

FERRANDO, M. G. Veinticinco años de análisis del comportamiento deportivo de la población española (1980-2005). Revista Internacional de Sociología. Córdoba (Espanha), v. LXIV, n. 44, p. 15-38, mai./ago. 2006.

GONZÁLEZ, F. J. Bases sociais das disposições para o envolvimento em práticas de movimento corporal no tempo livre. Porto Alegre: Orquestra, 2013.

GREGUOL, M. Atividades físicas e esportivas e pessoas com deficiência. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

HASSON, R. E. et al. Achieving Equity in Physical Activity Participation: ACSM Experience and Next Steps. Medicine and Science in Sports Exercise. V. 49, n. 4, p. 848-858, 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde: 2013. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Práticas de esporte e atividade física: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

MARIOVET, S. Hábitos desportivos da população portuguesa. Lisboa: Novicópia, 2001.

McNEILL, L. H.; KREUTER, M. W.; SUBRAMANIAN, S. V. Social environment and physical activity: a review of concepts and evidence. Social Science and Medicine. V. 63, n. 4, p. 1011-22, 2006.

PNUD; IPEA; FJP. Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e Fundação João Pinheiro. Desenvolvimento Humano para Além das Médias. Brasília: PNUD: IPEA: FJP, 2017.

RECHIA, S. Atividades físicas e esportivas e as cidades. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

RIBEIRO , D. Mulheres negras e esporte no Brasil. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

SALVADOR, de E. P. Atividades físicas e infraestrutura. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

SCHEERDER, J.; VANREUSEL, B.; TAKSA, M. Stratification patterns of active sport involvement among adults. International Review for the Sociology of Sport, Londres, v. 40, n. 2, p. 139-162, 2005.

SEIPPEL, Ø. Physical exercise and social inequality in Norway – A comparison of OLS and quantile regression analysis. Journal European Journal for Sport and Society, v. 12, n. 4, p. 344-376, 2015.

SPORT ENGLAND. Participation in Sport in England: Sports Equity Index 2002. London: Sport England, 2005.

STEMPEL, C. Adult participation sports as cultural capital: A test of Bourdieu’s theory of the field of sports. International review for the sociology of sport, v. 40, n. 4, p. 411-432, 2005.

UNDP. United Nations Development Programme. Human Development Report 2016 – Human Development for Everyone. New York: UNDP, 2016.

WARDE, A. Cultural Capital and the Place of Sport. Cultural Trends. Londres, v. 15, n. 2/3, p. 107-122, jun/sep. 2006.

WILSON, T. C. The Paradox of Social Class and Sports Involvement: The Roles of Cultural and Economic Capital. International Review for the Sociology of Sport, Londres, v. 37, n. 1, p. 5-16, 2002.

 

Capítulo 5

ACNUDH. Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Campanha Livres & Iguais. Vídeos. 2013a. Disponível em: <https://www.unfe.org/ptpt/videos/>. Acesso em: 10 jun. 2017.

______. Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Campanha Livres & Iguais. Glossário. 2013b. Disponível em: <https://www.unfe.org/ptpt/definitions/>. Acesso em: 10 jun. 2017.

ALTMANN, H. Atividades físicas e esportivas e mulheres no Brasil. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

ALTMANN, H.; MARIANO, M.; UCHOGA, L. A. R. Corpo e movimento: produzindo diferenças de gênero na Educação Infantil. Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 285-301, abr./jun. 2012.

ALTMANN, H.; REIS, H. H. B. Futsal feminino na América do Sul: trajetórias de enfrentamentos e de conquistas. Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 211-232, 2013.

AMORIM, M. et al. Fatores influenciadores para adoção de práticas de atividades físicas percebidos por pessoas longevas. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 25, n. 2, p. 273-283, 2014.

ANDREOLI, G. S. Representações de masculinidade na dança contemporânea. Movimento, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 159-175, 2011.

ANJOS, K. S. S.; OLIVEIRA, R. C.; VELARDI, M. A construção do corpo ideal no balé clássico: uma investigação fenomenológica. Revista Brasileira Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 439-452, 2015.

ANTUNES, G.; MAZO, G. Z.; BALBÉ, G. P. Relação da autoestima entre a percepção de saúde e aspectos sociodemográficos de idosos praticantes de exercício físico. Revista de Educação Física/UEM, Maringá, v. 22, n. 4, p. 583-589, 2011.

APOLO NI, B. F.; LIMA, F. E. B.; VIEIRA, J. L. L. Efetividade de um programa de intervenção com exercícios físicos em cama elástica no controle postural de crianças com Síndrome de Down. Revista Brasileira Educação Física e Esporte, v. 27, n. 2, p. 217-23, 2013.

ARAUJO, M. C. et al. Efeitos do exercício físico sobre os níveis de estresse em vestibulandos de Teresina-PI. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 20, n. 3, p. 14-26, 2012.

AZEVEDO A. L. “O estudante fisicamente ativo aprende melhor”, defende especialista em saúde pública – entrevista com HALLAL, P. O Globo, 30 set. 2016. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/sociedade/o-estudante-fisicamente-ativo-aprende-melhor-defende-especialista-em-saude-publica-20204851>. Acesso em: 10 nov. 2016

BAILEY, R. et al. Physical activity: an underestimated investment in human capital? Journal of Physical Activity & Health, v. 10, n. 3, p. 289-308, 2013.

BALBINOTTI, M. A. A. et al. Qual é o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? Motriz, v. 18, n. 4, p. 728-734, 2012.

BENEDETTI, T. R. B. et al. Programa “VAMOS” (Vida Ativa Melhorando a Saúde): da concepção aos primeiros resultados. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 14, n. 6, p. 723-737, 2012.

BRASIL. Decreto-Lei nº 3.199, de 14 de abril de 1941. Brasília: Governo Federal, 14 abr. 1941. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del3199.htm>. Acesso em: 19 nov. 2016b.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei número 9.394. Brasília, 1996.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Base Nacional Curricular Comum. Brasília: Ministério da Educação. 2016. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2016a.

CAETANO, A. O jogo nas aulas de Educação Física e suas implicações no desenvolvimento moral. Pensar a Prática, v. 17, n. 3, p. 783-799, 2014.

CARDOSO, B. L. C.; ASSUMPÇÃO, L. O. T. O papel do folclore na motivação para atividades físicas de idosas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 55-64, jan. /mar. 2011.

CARDOSO, M. A. et al. Educação Física no ensino médio: desenvolvimento de conceitos e da aptidão física relacionados à saúde. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 28, n. 1, p. 147-61, 2014.

CASTRO , S. B. E.; SOUZA, D. L. Significados de um projeto social esportivo: um estudo a partir de perspectivas profissionais, pais, crianças e adolescentes. Movimento, v. 17, n. 4, p. 154-163, 2011.

CHICON, J. F.; MENDES, K. A. M. O.; SÁ M. G. C. S. Educação física e inclusão: a experiência na Escola Azul. Movimento, v. 17, n. 4, p. 185-202, 2011.

CHICON, J. F.; SÁ, M. G. C. S; FO NTES, A. S. Atividades lúdicas no meio aquático: possibilidades para a inclusão. Movimento, v. 19, n. 2, p. 103-122, 2013.

COSTA, L. A. et al. Intervenção urbana esportiva: notas etnográficas sobre o grupo Rizoma. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 81 93, jan. /mar. 2015.

DA SILVA, D. F., BIANCHINI, J. A. A.; NARDO JUNIOR, N. Tratamento multiprofissional da obesidade e sua cessação em adolescentes: efeitos no perfil hemodinâmico.  , v. 19, n. 1, p. 195-206, 2013.

DALCIN, J.; KLEINUBING, N. D. Dois pra lá e dois pra cá: as possibilidades da dança de salão nas aulas de Educação Física no Ensino Médio. Pensar a Prática, v. 18, n. 4, p. 796-807, 2015.

DÉA, V. H. S. D. et al. Inclusão de pessoas com deficiência nos projetos de extensão de práticas corporais da Universidade Federal de Goiás. Pensar a Prática, Goiânia, v. 16, n. 4, p. 1176-1186, 2013.

DUMAZEDIER, J. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, 1976.

FERNANDES, V. et al. Mulheres em combate: representações de feminilidades em lutadoras de boxe e MMA. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 26, n. 3, p. 367-376, 2015.

FERRARI, G. L. M. et al. Associação da aptidão física e desempenho acadêmico de escolares. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 22, n. 4, p. 37-46, 2014.

FILHO, M. A. T.; RUBIO, K. As identidades da atleta brasileira: os “planos de apego temporários” da mulher na vida esportiva. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 255-275, 2012.

FIORINI, M. L. S; DELIBERATO, D.; MAMZINI, E. J. Estratégias de ensino para alunos deficientes visuais: a Proposta Curricular do Estado de São Paulo. Motriz, v. 19, n. 1, p. 62-73, 2013.

FOGANHOLI, C.; JUNIOR, L. G. Lazer de pessoas com deficiências: significado, aprendendo e ensinando. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, p. 59-95, 2015.

FRAZÃO, D. P.; COELHO FILHO, C. A. A. Motivos para a prática de ginástica em academias exclusivas para mulheres. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 149-158, 2015.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebê, criança, adolescente e adulto. 3ª edição. São Paulo: Artmed, 2005.

GONÇALVES, F. S.; RECHIA, S. Espaços e equipamentos de lazer da Vila Nossa Senhora da Luz e suas formas de apropriação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Curitiba, v. 37, n. 3, p. 256-271, 2015.

GONÇALVES, M. C.; TURELLI, F. C.; VAZ, A. F. Corpos, dores, subjetivações: notas de pesquisa no esporte, na luta, no balé. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 141-158, 2012.

GONÇALVES, M. C.; VAZ, A. F. Resíduos do amadorismo no esporte: a exemplo de uma equipe de rúgbi feminino. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 591-601, jul./set. 2015.

GREGUOL, M. Atividades físicas e esportivas e pessoas com deficiência. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

HARRIS, J. et al. Young people’s knowledge and understanding of health, fitness and physical activity: issues, divides and dilemmas. Sport, Education and Society, 2016.

HAUSER, E.; SILVEIRA, R.; STIGGER, M. P. Câmbio: um estudo etnográfico sobre a prática esportiva adaptada para idosos, pautada pela competição. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 4, p. 49-70, 2015.

KLEINUBING, N. D.; SARAIVA, M. C.; FRANCISCHI, V. G. A dança no ensino médio: reflexões sobre estereótipos de gênero e movimento. Revista de Educação Física, v. 24, n. 1, p. 71-82, 2013.

KLEINUBING, N. D.; SARAIVA, M. C.; MELO , D. F. Revisitando bases epistemológicas da dança: quais saberes construímos no processo de ensinar e aprender? In: SARAIVA, M. C.; KLEINUBING, N. D.; editores. Dança, diversidade, caminhos e encontros. Jundiaí: Paco Editorial, 2012, p. 57-69.

KRUG, R. R. et al. Contribuições da caminhada como atividade física de lazer. Licere, Belo Horizonte, v. 14, n. 4, p. 1-29, 2011.

LA TAILLE, Y.; SOUZA, L. S.; VIZIOLI, S. Ética e educação: uma revisão de literatura educacional de 1990 a 2003. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 1, p. 91-108, 2004.

LEHNHARD, G. R.; MANTA, S. W.; PALMA, L. E. A prática de atividade física na história de vida de pessoas com deficiência física. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 23, n. 1, p. 45-56, 2012.

LEITÃO, M. C.; OSÓRIO, Y. Ensino Fundamental I: um enfoque construtivista do movimento sobre formação atitudinal. Pensar a Prática, v. 17, n. 1, p. 33-49, 2014.

LEITÃO, M. C. et al. Implicações sociais e autonomia em Educação Física Escolar: uma abordagem construtivista do movimento. Ciência e Movimento, v. 19, n. 3, p. 76-85, 2011.

LIBARDI, N.; SILVA, C. L. Os significados das práticas corporais para os frequentadores de um parque público da cidade de Piracicaba. Revista Brasileira Ciência e Movimento, Brasília, v. 22, n. 1, p. 12-21, 2014.

LOPES, K. F.; ARAÚJO, P. F. Os dançarinos em cadeira de rodas no contexto dos espetáculos. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 17, n. 5, p. 440-448, 2012.

LOVATO, N. S. et al. Assiduidade a programas de atividade física oferecidas por Unidades Básicas de Saúde: o discurso de participantes muito e pouco assíduos. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 20, n. 2, p. 184-192, 2014.

MARQUES, D. A. P.; SURDI, A.; KUNZ, E. Projeto de dança Uniguaçu: tecendo experiências pedagógicas. Motrivivência, v. 40, p. 153-167, jun. 2013.

MAZZARINO, J. M.; FAL KENBACH, A. P.; RISSI, S. Acessibilidade e inclusão de uma aluna com deficiência visual na escola e na Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 33, n. 1, p. 87-102, 2011.

MEC/INEP/DEED. 2015. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/visualizar/-/asset_publisher/6AhJ/content/matriculas-em-educacaointegral-apresentam-crescimento-de-41-2>. Acesso em: 04 nov. 2016.

MELLO , A. S. et al. O protagonismo de pessoas com deficiência intelectual no processo de ensino- aprendizagem da capoeira. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 214-227, 2014.

MOLINA, F. F.; FREIRE, E. S.; MIRANDA, M. L. J. A construção da autonomia nas aulas de Educação Física: aplicação e avaliação de uma proposta. Pensar a Prática, v. 18, n. 3, p. 662-674, 2015.

MORATO, M. P. et al. A leitura de jogos no futebol para cegos. Movimento, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 97-114, 2011.

MOURA, D. L.; HENRIQUES, I. A. D. O risco percebido em praticantes experientes de voo livre e rapel. Revista Brasileira Ciência e Movimento, Taguatinga, v. 22, n. 3, p. 63-68, 2014.

MOURA, D. L. Corrigindo o estigma através do espetáculo: o caso da equipe de futebol de anões. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Curitiba, v. 37, n. 4, p. 341-347, 2015.

MYNARSKI, J. et al. Efeitos de diferentes programas de exercícios físicos sobre a composição corporal e autonomia funcional de idosas com risco de fratura. Revista de Educação Física/UEM, Maringá, v. 25, n. 4, p. 609 618, 2014.

MYSKIW, M. As tradições varzeanas nos times de camisa: notas etnográficas sobre a circulação de jogadores num circuito de lazer da cidade de Porto Alegre. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 158-196, set. 2015.

NAZARIO, P. F.; VIEIRA, J. L. L. O contexto esportivo no desenvolvimento motor de crianças. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 16 n. 1, p. 86-95, 2014.

NOGUEIRA, Q. W. C. Equipes esportivas no Colégio Arquidiocesano Sagrado Coração de Jesus: anotações sobre e experiência de jogo como formação. Movimento, v. 21, n. 3, p. 731-742, 2015.

NUNES, L. C. et al. Perfil de estudantes dos anos iniciais com dificuldades de aprendizagem: importância da Educação Física escolar. Revista Brasileira Ciência e Movimento, v. 22, n. 2, p. 36-46, 2014.

OLIVEIRA, B. N.; FEITOSA, W. G.; FERREIRA, H. S. Análise da percepção dos idosos integrantes de grupo de práticas corporais na atenção primária: aspectos motivacionais e o fazer multiprofissional. Motrivivência, Florianópolis, v. 24, n. 38, p. 149-158, 2012.

OLIVEIRA, C. H. S. et al. O goalball como possibilidade de inclusão social de pessoas com deficiência visual. Pensar a Prática, Goiânia, v. 16, n. 1, p. 165-182, 2013.

OLIVEIRA, R. Daniel Dias quebrou preconceitos da escola ao casamento. E não é coitadinho. UOL, 07 set. 2015. Disponível em: <http://olimpiadas. uol.com.br/noticias/2015/09/07/daniel-dias-quebrou-preconceitos-da-escola-ao-casamento-e-nao-e-coitadinho.htm> Acesso em: 09 nov. 2016.

PAIXÃO, J. A. Voo livre: práticas aventureiras e condutas de risco por entre as montanhas de Minas. Licere, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 1-17, 2011.

PEREIRA DA SILVA, J. V. O lazer de interesse físico/esportivo no cotidiano infantil e sua interface com a saúde. Licere, v. 15, n. 1, p. 1-20, 2012.

PESERICO, C. S.; KRAVCHYCHYN, C.; OLIVEIRA, A. A. B. Análise da relação entre esporte e desempenho escolar: um estudo de caso. Pensar a Prática, v. 18, n. 2, p. 260-277, 2015.

PIAGET, J. O Juízo Moral na Criança. 4ª edição. São Paulo: Summus, 1994.

PNUD; INEP. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Caderno de Desenvolvimento Humano sobre Escolas Ativas no Brasil. Brasília: PNUD: INEP, 2016.

PÓVOA , T. I. R. et al. Treinamento aeróbio e resistido, qualidade de vida e capacidade funcional de hipertensas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 36-41, 2014.

REZENDE, L. M. T. et al. Desempenho psicomotor de pessoas com deficiência após 12 semanas de um programa de Educação Física Adaptada. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Taguatinga, v. 23, n. 3, p. 38-46, 2015.

RIBEIRO , D. Mulheres negras e esporte no Brasil. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

RIBEIRO , O. C. R. O Clube Rhodia e os moradores da Vila Holândia – Campinas/SP. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 3, p. 651-666, 2014.

SANTOS, D. S. R. et al. A biodanza e a construção de estilo de vida. Licere, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 1-24, 2011.

SANTOS, M. P. O. Agonia e êxtase: a dança na Comunidade Calunga, em Goiás. Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n. 4, p. 1003-1012, out./dez. 2012.

SARDINHA, D.; PEREIRA, S. Trabalho de formiguinha: a trajetória de Formiga no futebol feminino. Globo, São José dos Campos, 02 fev. 2016. Disponível em: <http://globoesporte.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/futebol/noticia/2016/02/trabalho-de-formiguinha-trajetoria-de-formiga-no-futebol-feminino-video.html>. Acesso em: 10 nov. 2016.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil na análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SEABRA JR., L. Educação Física e inclusão educacional: entender para atender [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2012, 221f.

SENADO FEDERAL. Disponível em: <http://www12.senado.leg.br/hpsenado>. Acesso em: 26 abr. 2016

SILVA, D. P. et al. Impacto das atividades esportivas, informática e música sobre a vida de alunos de escola com educação em tempo integral. Motrivivência, v. 39, p. 142-150, 2012.

SILVA, O. M.; SILVA, C. A. F. Desenho da rede de um projeto esportivo social: atores, representações e significados. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 28, n. 3, p. 415-28, 2014.

SILVA, P. P. C. et al. Prática da vela: estilo de vida no contexto do lazer. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 16, n. 3, p. 206-210, 2011.

SILVEIRA, R.; STIGGER, M. P. Jogando com as feminilidades: um estudo etnográfico em um time de futsal feminino de Porto Alegre. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 1, p. 179-194, 2013.

SILVESTRIN, M. P.; SARAIVA M. C. O. A participação de meninos e meninas nos projetos sociais da fundação municipal de esportes de Florianópolis. Motrivivência, v. 38, p. 75-88, jun. 2012.

SOARES, C. A. M.; HALLAL, P. C. Interdependência entre a participação em aulas de Educação física e níveis de atividade de atividade física de jovens brasileiros. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 20, n. 6, p. 588-597, 2015.

SOARES, C. L. Pedagogias do corpo: higiene, ginásticas, esporte. In: RAGO , M.; VEIGA-NETO, A.
Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2008, p. 296.

SOARES, J. P. F.; MOURÃO, L.; JÚNIOR, E. D. A. “Se precisar, a gente mesmo dá aula”: lazer, políticas públicas, organização e participação comunitária de idosos. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 56-74, 2015.

SOARES, L. E. S.; GOMES DA SILVA, P. N.; RIBAS, J. F. M. Comunicação motriz nos jogos populares: uma análise praxiológica. Movimento, v. 18, n. 3, p. 159-182, 2012.

SPOHR, C. F. et al. Atividade física e saúde na Educação Física escolar: efetividade de um ano do projeto “Educação Física +”. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 19, n. 3, p. 300-313, 2014.

STIGGER, M. P.; TOMASSIM, L. E. Entre o “serve” e o “significa”: uma análise sobre expectativas atribuídas ao esporte em projetos sociais. Licere, v. 16, n. 2, p. 1-33, 2013.

TEIXEIRA, F. L. S.; FREITAS, C. M. S. M.; CAMINHA, I. O. A lipofobia nos discursos de mulheres praticantes de exercício físico. Motriz, Rio Claro, v. 18, n. 3, p. 590-601, 2012.

THOMASSIM, L. E. C. Os sentidos da exclusão social na bibliografia da Educação Física brasileira. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 151-178, 2007.

TSCHOKE, A.; TARDIVO, T. G.; RECHIA, S. Como a escola se tornou também espaço de lazer da comunidade: os programas inseridos na escola Maria Marly Piovezan. Pensar a Prática, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 1-11, 2011.

VARGA S, G. R.; SILVA, D. S.; AMARAL, S. C. F. Participação em um grupo de escalada como uma prática de lazer. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 4, p. 94-133, dez. 2015.

WEIS, G. F.; ROMANZINI, C. L. P.; CARVALHO, V. Competições Esportivas como Fonte de estresse: análise das equipes infantojuvenis do Projeto Cestinha em Santa Cruz do Sul/RS. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 19, n. 1, p. 58-65, 2011.

WOMMER, D. et al. A influência do Projeto Vivências Corporais Lúdicas no processo de viver da pessoa com bipolaridade: um estudo de caso. Pensar a Prática, Goiânia, v. 16, n. 4, p. 956-1270, 2013.

Capítulo 6

ALMEIDA-PITITTO, B. et al. A behavioral intervention in a cohort of Japanese-Brazilians at high cardiometabolic risk. Revista de Saúde Pública, v. 46, n. 4, p. 602-609, 2012.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. The evolution of medical views on exercise: physical activity in health promotion and disease prevention database. 09 jan. 2017. Disponível em: <http:// www.acsm.org/public-information/health-physical-activity-reference-database/omha-reference- -search—chronological-search-by-author>. acesso em: 04 fev. 2017.

BAILEY, R. et al. Physical activity: an underestimated investment in human capital? Journal of Physical Activity & Health, v. 10, n. 3, p. 289-308, 2013.

BAKER, P. R. A. et al. Community wide interventions for increasing physical activity. Cochrane Database of Systematic Reviews, v. 1, id. CD008366, 2015.

BARBOSA FILHO, V. C. et al. Changes in lifestyle and self-rated health among high school students: a prospective analysis of the” Saúde na Boa” project. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 16, suppl. 1, p. 55-67, 2014.

BARBOSA FILHO, V. C. et al. Promoting physical activity for children and adolescents in low-and middle-income countries: an umbrella systematic review. Preventive Medicine, v. 88, p. 115-126, 2016.

BARRETO, S. M. et al. Exposição ao tabagismo entre escolares no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 15, n. 2, p. 3027-34, 2010.

BAUMAN, a. Updating the evidence for physical activity: summative reviews of the epidemiological evidence, prevalence, and interventions to promote “active aging”. The Gerontologist, v. 56, suppl. 2, p. S268-80, 2016.

BELLEW, B. et al. Public policy actions needed to promote physical activity. Current Cardiovascular Risk Reports, v. 5, n. 4, p. 340-349, 2011.

BENTO, V. F. R. et al. Impacto de intervenções em atividade física sobre a pressão arterial de populações brasileiras. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 105, n. 3, p. 301-308, 2015.

BIELEMANN, R. M. et al. longitudinal and cross-sectional associations of physical activity with triglyceride and HDLc levels in young male adults. Journal of Physical Activity & Health, v. 11, n. 4, p. 784-789, 2014a.

______. Physical activity from adolescence to young adulthood and bone mineral density in young adults from the 1982 Pelotas (Brazil) birth cohort. Preventive Medicine, v. 62, p. 201-207, 2014b.

______. impacto da inatividade física e custos de hospitalização por doenças crônicas. Revista de Saúde Pública, v. 49, 75, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório final da 8ª conferência nacional de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 1986.

______. Ministério da Saúde. As cartas da promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

______. Ministério da Saúde. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

______. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2006: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

______. Ministério da Saúde. As conferências nacionais de saúde: evolução e perspectivas. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde, 2009.

______. Ministério da Saúde. Portaria no 1.823, de 23 de agosto de 2012. institui a política nacional de saúde do trabalhador e da trabalhadora. Brasília: Ministério da Saúde.

______. Ministério da Saúde. Avaliação de efetividade de programas de educação física no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2013a.

______. Ministério da Saúde. Portaria no 2.681, de 7 de novembro de 2013b. redefine o programa academia da saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde.

______. Ministério da Saúde. Política nacional de promoção da saúde: revisão da Portaria MS/GM no 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2015a.

______. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2015b.

______. Ministério da Saúde. Programa Academia da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 19 set. 2016a. Disponível em: <www.saude.gov.br/academiadasaude>.

______. Ministério do Esporte. Programa Esporte e Lazer da Cidade. Brasília: Ministério do Esporte, 19 set. 2016b. Disponível em: <http://www.esporte.gov.br/index.php/institucional/esporte- -educacao-lazer-e-inclusao-social/esporte-e-lazer-da-cidade/programa-esporte-e-lazer-da-cida- de-pelc>.

BRENNAN, l. K. et al. Concept mapping: priority community strategies to create changes to sup- port active living. American Journal of Preventive Medicine, v. 43, n. 5, p. S337-S350, 2012.

BROWN, et al. Community Preventive Services Task force. Stand-alone mass media campaigns to increase physical activity: a Community guide updated review. American Journal of Preventive Medicine, v. 43, n. 4, p. 551-61, 2012.

BUENO, D. R. et al. os custos da inatividade física no mundo: estudo de revisão. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 4, p. 1001-10, 2016.

BUSS, P. M.; CARVALHO, A. I. Desenvolvimento da promoção da saúde no Brasil nos últimos vinte anos (1988-2008). Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 6, p. 2305-16, 2009a.

______. Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. in: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (ed.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009b, p. 19-42. CALIXTRE, A.; VAZ, F. PNAD 2014: breves análises. Brasília: instituto de Pesquisa Econômica aplicada, 2015.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CARSON, V. et al. Systematic review of physical activity and cognitive development in early childhood. Journal of Science and Medicine in Sport, v. 19, n. 7, p. 573-578, 2016.

CARVALHO, A. I. Determinantes sociais, econômicos e ambientais da saúde. in: FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ; editor. A saúde no Brasil em 2030: prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro – população e perfil sanitário. Volume 2. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013, p. 19-38.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Strategies to prevent obesity and other chronic diseases: the CDC guide to strategies to increase physical activity in the community. Atlanta: U.S. Department of Health and Human Services, 2011.

COMISSÃO NACIONAL SOBRE DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil. Brasília; 2008.

COMISSÃO NACIONAL SOBRE DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Redução das desigualdades no período de uma geração: igualdade na saúde através da ação sobre os seus determinantes sociais. Portugal: Organização Mundial da Saúde, 2010.

CONN, V. S. et al. Meta-analysis of workplace physical activity interventions. American Journal of Preventive Medicine, v. 37, n. 4, p. 330-339, 2009a.

CONN, V. S.; HAFDAHL, A. R.; BROWN, l. M. Meta-analysis of quality-of-life outcomes from physical activity interventions. Nursing Research, v. 58, n. 3, p. 175-183, 2009b.

CZERESNIA, D. o conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. in: CZERESNIA, D.; FREITAS C. M.; editores. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009, p. 43-57.

DING, D. et al. The economic burden of physical inactivity: a global analysis of major non-communicable diseases. The Lancet, v. 388, n. 10051, p. 1311-24, 2016.

DONNELLY, J. E. et al. Physical activity, fitness, cognitive function, and academic achievement in children: a systematic review. Medicine & Science in Sports & Exercise, v. 48, n. 6, p. 1197-1222, 2016.

EIME, R. M. et al. A systematic review of the psychological and social benefits of participation in sport for children and adolescents: informing development of a conceptual model of health through sport. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 10, 98, 2013.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1986.

FLORÊNCIO, T. M. M. et al. Weight gain and reduced energy expenditure in low-income Brazilian women living in slums: a 4-year follow-up study. British Journal of Nutrition, v. 114, n. 3, p. 462-471, 2015.

FLORINDO, A. A. et al. Epidemiology of recreational football in Brazil: prevalence and association with risk factors for chronic diseases and self-rated health in adults. Motriz, v. 19, n. 1, p. 224-230, 2013.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030: prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro – população e perfil sanitário. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013.

GARCIA, l. M. T. et al. Sedentary behaviors, leisure-time physical inactivity, and chronic diseases in Brazilian workers: a cross sectional study. Journal of Physical Activity & Health, v. 11, n. 8, p. 1622-34, 2014.

GORE, F. M. et al. Global burden of disease in young people aged 10-24 years: a systematic analysis. The Lancet, v. 377, n. 9783, p. 2093-102, 2011.

HALLAL, P. C. et al. Adolescent physical activity and health: a systematic review. Sports Medicine, v. 36, n. 12, p. 1019-30, 2006.

______. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil: revisão sistemática. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 3, p. 453-460, 2007.

______. Cross-sectional and longitudinal associations between physical activity and blood pressure in adolescence: birth cohort study. Journal of Physical Activity & Health, v. 8, n. 4, p. 468-74, 2011.

______. Physical activity at 11 years of age and incidence of mental health problems in adolescence: prospective study. Journal of Physical Activity & Health, v. 12, n. 4, p. 535-9, 2015.

HEATH, G. W. et al. Evidence-based intervention in physical activity: lessons from around the world. The Lancet, v. 380, n. 9838, p. 272-281, 2012.

HOEHNER, C. M. et al. Physical activity interventions in Latin America: expanding and classifying the evidence. American Journal of Preventive Medicine, v. 44, n. 3, p. e31-e40, 2013.

HORTA, R. L. et al. Uso na vida de substâncias ilícitas e fatores associados entre escolares brasileiros, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE 2012). Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 17, n. 1, p. 31-45, 2014.

HORTON, R. The secrets of a healthy society. The Lancet. v. 387, n. 10016, p. 325, 2016.

HUPIN, D. et al. Even a low-dose of moderate-to-vigorous physical activity reduces mortality by 22% in adults aged ≥60 years: a systematic review and meta-analysis. British Journal of Sports Medicine, v. 49, n. 19, p. 1262-7, 2015.

IBGE. instituto Brasileiro de geografia e Estatística. Censo demográfico 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/>. acesso em: 19 set. 2016a.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/>. acesso em: 19 set. 2016b.

JANSSEN, I.; LEBLANC, a. g. Systematic review of the health benefits of physical activity and fitness in school-aged children and youth. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 7, 40, 2010.

KHAN, K. M. et al. Sport and exercise as contributors to the health of nations. The Lancet, v. 380, n. 9836, p. 59-64, 2012.

LANGFORD, R. et al. The WHO Health Promoting School framework for improving the health and well‐being of students and their academic achievement. Cochrane Database of Systematic Reviews, v. 4, id. CD008958, 2014.

LEE, I. M. et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. The Lancet, v. 380, n. 9838, p. 219-29, 2012.

LEOPOLDINO, A. A. O. et al. Effect of Pilates on sleep quality and quality of life of sedentary population. Journal of Bodywork and Movement Therapies, v. 17, n. 1, p. 5-10, 2013.

LI, T. et al. The dose-response effect of physical activity on cancer mortality: findings from 71 prospective cohort studies. British Journal of Sports Medicine, v. 50, n. 6, p. 339-345, 2016.

LÖLLGEN, H.; BÖCKENHOFF, A.; KNAPP, G. Physical activity and all-cause mortality: an updated meta-analysis with different intensity categories. International Journal of Sports Medicine, v. 30, n. 3, p. 213-224, 2009.

MACHADO, M. F. A. et al. The health school programme: a health promotion strategy in primary care in Brazil. Journal of Human Growth and Development, v. 25, n. 3. p. 307-312, 2015.

MALTA, D. C. et al. The implementation of the priorities of the National Health Promotion Policy, an assessment, 2006-2014. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 11, p. 4301-12, 2014.

MAMMEN, G; FAULKNER, G. Physical activity and the prevention of depression: a systematic review of prospective studies. American Journal of Preventive Medicine, v. 45, n. 5, p. 649-657, 2013.

MARCH, S. et al. Adult community health-promoting interventions in primary health care: a systematic review. Preventive Medicine, v. 76, suppl, p. S94-S104, 2015.

MECHANIC, D. Population health: challenges for science and society. Milbank Quarterly, v. 85, n. 3, p. 533-559, 2007.

MOUNTJOY, M. et al. International Olympic Committee consensus statement on the health and fitness of young people through physical activity and sport. British Journal of Sports Medicine, v. 45, n. 11, p. 839-848, 2011.

MOVE BraSil. Move Brasil. 19 set. 2016. Disponível em: <www.movebrasil.org.br>. acesso em: 14 fev. 2016.

MURARO, A. P. et al. Fatores associados à hipertensão arterial sistêmica autorreferida segundo VIGITEL nas 26 capitais brasileiras e no Distrito federal em 2008. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 5, p. 1387-98, 2013.

NAKAMURA, P. M. et al. Effect on physical fitness of a 10-year physical activity intervention in primary health care settings. Journal of Physical Activity & Health, v. 12, n. 1, p. 102-108, 2015.

NETTLETON, S.; GREEN, J. Thinking about changing mobility practices: how a social practice approach can help. Sociology of Health & Illness, v. 36, n. 2, p. 239-251, 2014.

OGALHA, C. et al. A randomized, clinical trial to evaluate the impact of regular physical activity on the quality of life, body morphology and metabolic parameters of patients with AIDS in Salvador, Brazil. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes, v. 57, p. S179-185, 2011.

OLIVEIRA, G. et al. Yoga training has positive effects on postural balance and its influence on activities of daily living in people with multiple sclerosis: a pilot study. Explore, v. 12, n. 5, p. 325-332, 2016.

ONU. Organização das Nações Unidas. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/agen- da2030/>. acesso em: 18 set. 2016.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Health promotion glossary. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 1998.

______. Organização Mundial da Saúde. Escritório Europeu. An analysis of national approaches to promoting physical activity and sports in children and adolescents. Örebro: Organização Mundial da Saúde, 2009.

______. Organização Mundial da Saúde. Interventions on diet and physical activity: what works. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2009.

______. Organização Mundial da Saúde. Global recommendations on physical activity for health. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2010.

______. Organização Mundial da Saúde. Global action plan for the prevention and control of non- communicable diseases 2013-2020. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2013.

PAIM, J. et al. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. The lancet, v. 377, n. 9779, p. 1778-97, 2011.

PATE, R. R. et al. Physical activity and public health: a recommendation from the Centers for Disease Control and Prevention and the American College of Sports Medicine. JAMA, v. 273, n. 5, p. 402-407, 1995.

PATTON, G. C. et al. Our future: a lancet commission on adolescent health and wellbeing. The Lancet, v. 387, n. 10036, p. 2423-78, 2016.

PHYSICAL ACTIVITY GUIDELINES ADVISORY COMMITTEE. Physical activity guidelines advisory committee report. Washington: U.S. Department of Health and Human Services, 2008.

POITRAS, V. J. et al. Systematic review of the relationships between objectively measured physical activity and health indicators in school-aged children and youth. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism, v. 41, n. 6, p. S197-239, 2016.

RAMALHO, J. R. O. et al. Physical activity and all-cause mortality among older Brazilian adults: 11-year follow-up of the Bambuí Health and aging Study. Clinical Interventions in Aging, v. 10, p. 751-758, 2015.

RAMIRES, V. et al. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física e comportamento sedentário no Brasil: atualização de uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 19, n. 5, p. 529-547, 2014.

RASELLA, D. et al. Effect of a conditional cash transfer programme on childhood mortality: a nationwide analysis of Brazilian municipalities. The Lancet, v. 382, n. 9886, p. 57-64, 2013.

REICHENHEIM, M. E. et al. Violence and injuries in Brazil: the effect, progress made, and challenges ahead. The Lancet, v. 377, n. 9781, p. 1962-75, 2011.

REINER, M. et al. Long-term health benefits of physical activity: a systematic review of longitudinal studies. BMC Public Health, v.13, 813, 2013.

REIS, R. S. et al. Scaling up physical activity interventions worldwide: stepping up to larger and smarter approaches to get people moving. The Lancet, v. 388, n. 10051, p. 1337-48, 2016.

REZENDE, L. F. et al. Effect of physical inactivity on major noncommunicable diseases and life expectancy in Brazil. Journal of Physical Activity & Health, v. 12, n. 3, p. 299-306, 2015.

ROUSE, J. Practice theory. in: TURNER, S. et al. Handbook of the philosophy of science: philosophy of anthropology and sociology. Volume 15. oxford: Elsevier, 2007.

RÜTTEN, A.; GELIUS, P. The interplay of structure and agency in health promotion: integrating a concept of structural change and the policy dimension into a multi-level model and applying it to health promotion principles and practice. Social Science & Medicine, v. 73, n. 7, p. 953-959, 2011.

SÁ, G. B. A. et al. O Programa academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 6, p. 1849-60, 2016.

SÁ, N. N. B.; MOURA, E. C. fatores associados à carga de doenças da síndrome metabólica entre adultos brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, n. 9, p. 1853-62, 2010.

SALLIS, J. F. et al. Progress in physical activity over the olympic quadrennium. The Lancet, v. 388, n. 10051, p. 1325-36, 2016.

SANCHEZ, A. et al. Effectiveness of physical activity promotion interventions in primary care: a review of reviews. Preventive Medicine, 76, suppl., p. S56-S67, 2015.

SEN, A. K. Why health equity? Health Economics, v. 11, p. 659-666, 2002.

SESI; DN. Sistema de Avaliação de Estilo de Vida e Produtividade: relatório 2014 – Detalhamento de resultados por Dr. Serviço Social da indústria/Departamento Nacional, 2015.

SEWELL JR., W. H. a theory of structure: duality, agency, and transformation. American Journal of Sociology, v. 98, n. 1, p. 1-29, 1992.

SILVA, D. A. S. et al. Mudanças nas condutas de saúde e o seu efeito na insatisfação com peso corporal em adolescentes. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v. 16, suppl. 1, p. 79-90, 2014.

SILVA, K. S. et al. Physical activity as part of daily living: moving beyond quantitative recommendations. Preventive Medicine, (no prelo), 2017.

SILVEIRA, P. M. et al. Criação de uma escala de satisfação com a vida por meio da Teoria da resposta ao item. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 64, n. 4, p. 272-278, 2015.

SOUSA, E. S. et al. Sistema de monitoramento e avaliação dos programas Esporte e Lazer da Cidade e Segundo Tempo do Ministério do Esporte. Belo Horizonte: O Lutador, 2010.

SPRUIT, A. et al. The effects of physical activity interventions on psychosocial outcomes in adolescents: a meta-analytic review. Clinical Psychology Review, v. 45, p. 56-71, 2016.

STACHTCHENKO, S.; JENICEK, M. Conceptual differences between prevention and health promotion: research implications for community health programs. Canadian Journal of Public Health, v. 81, n. 1, p. 53-59, 1989.

STUBBS, B. et al. Physical activity and anxiety: a perspective from the World Health Survey. Journal of Affective Disorders, v. 208, p. 545-552, 2017.

SZWARCWALD, C. L. et al. Determinantes da autoavaliação de saúde no Brasil e a influência dos comportamentos saudáveis: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, suppl. 2, p. 33-44, 2015.

TIMMONS, B. W. et al. Systematic review of physical activity and health in the early years (aged 0-4 years). Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism, v. 37, n. 4, p. 773-92, 2012.

UN. United Nations. Sustainable development goals: 17 goals to transform our world. 10 set. 2016. Disponível em: <http://www.un.org/sustainabledevelopment/health/>. acesso em: 10 jan. 2016.

VAGETTI, G. C. et al. association between physical activity and quality of life in the elderly: a systematic review, 2000-2012. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 36, n. 1, p. 76-88, 2014.

VAN ACKER, R. et al. a framework for physical activity programs within school-community partnerships. Quest, v. 63, n. 3, p. 300-320, 2011.

VICTORA, C. G. et al. Health conditions and health-policy innovations in Brazil: the way forward. The Lancet, v. 377, n. 9782, p. 2042-53, 2011.

XIV CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE. Carta da XIV Conferência Nacional de Saúde à sociedade brasileira. 15 set. 2016. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/14cns/docs/04_dez_car- ta_final.pdf>.

XV CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE. Diretrizes aprovadas nos grupos de trabalho ou na plenária final. 15 set. 2016. Disponível em: <http://conferenciasaude15.org.br/wp-content/uplo- ads/2016/01/Diretrizes-aprovadas-Versão-final.pdf>.

XXII CONFERÊNCIA MUNDIAL DE PROMOÇÃO DE SAÚDE DA UNIÃO INTERNACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO. Carta de Curitiba sobre promoção da saúde e equidade: para garantir a democracia e os direitos humanos em todos os países do mundo. 15 set. 2016. Disponível em: <www.abrasco.org.br/site/2016/08/carta-de-curitiba-sobre-promocao-da-saude-e-equidade>.

 

Capítulo 7

ACTIVE SCHOOLS. Let’s move! Active Schools. Roadmap for Creating an Active School. Washington, DC: active Schools, 2015. Disponível em: <http://www.letsmoveschools.org/>.

ALVARES, S. L.; KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Programando a Arquitetura da Aprendizagem. Pesq. em arquit. e Constr., Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 72-84, 2015.

ANDRADE, D. F. Relatório de Pesquisa apresentado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. PNUD/INEP, abr. 2015.

ANDRADE, D. F; TAVARES, H. R.; VALLE, R. C. Teoria de Resposta ao Item: conceitos e aplicações. ABE – Associação Brasileira de Estatística, 4º SINAPE, 2000.

AUSTRALIA, DEPARTMENT OF HEALTH. Active School Curriculum. Disponível em: <http://www.health.gov.au/internet/healthyactive/publishing.nsf/content/active_school_curriculum.pdf/$file/active_school_curriculum.pdf>. acesso em: 29 nov. 2015.

BAKER, F.; KIM, S.H. Item response theory: Parameter estimation techniques, vol. 176. CRC Press, 1992.

BETTI, M. O que a semiótica inspira ao ensino da educação física. Discorpo, v. 3, p. 25-45, 2004.

______. Educação física e sociedade: a Educação física na escola brasileira. 2ª edição ampliada. São Paulo: Hucitec, 2009.

BRACHT, V. Título [relatório de pós-doutorado]. Florianópolis: UFSC, 2012.

BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil. São Paulo: imprensa oficial do Estado, 1988.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA. Lei nº 8.069/90, de 13 de julho de 1990.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394/96, 1996.

______. Plano Nacional de Educação – PNE. Lei nº 10.172, 2001.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais gerais para a Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2010.

______. Plano Nacional de Educação – PNE. lei no 13.005, 2014.

______. Diesporte: diagnóstico nacional do esporte. Caderno 1. Brasília: Ministério do Esporte, 2015.

CALE, L. Promoting Physical Activity through the Active School. The British Journal of Physical Education, v. 28, n.1, p. 19-21, 1997.

CALE, L.; HARRIS, J. School-based physical activity interventions: effectiveness, trends, issues, implications and recommendations for practice. Sport, Education and Society, v. 11, n. 4, p. 401-420, 2006.

CAMBI, F. A História da Pedagogia. Editora Unesp: São Paulo, 1996.

CANADA. PHE CANADA. Action Schools! BC Program. Disponível em: <http://www.actionschoolsbc.ca/>. Acesso em: 29 nov. 2015.

DEWEY, J. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 4ª edição. São Paulo: Nacional, 1979.

DEWEY, J. Experiência e Educação. 2ª edição. (GASPAR, R., Trad.). Vozes: Petrópolis, 2011.

EMBRETSON, S.; REISE, S. P. Item Response Theory for Psychologists. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates. Inc. Publishers, 2000.

ESCOLANO, A. Arquitetura como programa: espaço-escola e currículo. In: VIÑAO FRAGO , A.; ESCOLANO, A. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Tradução: Alfredo Veiga-Neto. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 19-57.

FELÍCIO, P.; MANOEL, E. de J. A natureza das ações encarnadas/incorporadas e situadas e suas implicações para o estudo do desenvolvimento humano. In: BRESCIANI FILHO, E. et al.; organizadores. Auto-organização: Estudos interdisciplinares. Coleção CLE. 1ª edição. Campinas: Editora da Unicamp, 2014, v. 66, p. 189-231.

FINLAND. Finnish schools on the move. s. d. Disponível em: <http://www.liikkuvakoulu.fi/in-english>. Acesso em: 29 nov. 2015.

FINNISH NATIONAL BOAR D OF EDUCATION. Physical Activity and learning: status review. Finlândia, 2012. Disponível em: <http://www.oph.fi/download/145366_Physical_activity_and_learning.pdf>. Acessado em: 29 nov. 2015.

FREIRE, J. B. Educação de Corpo Inteiro – Teoria e Prática da Educação Física. São Paulo: Ed. Scipione, 1992.

GÓIS JR., E. Ginástica, higiene e eugenia no projeto de nação brasileira: Rio de Janeiro, Século XIX e início do Século XX. Movimento, v. 19, n. 1, p. 139-159, 2013.

HAMBLETON, R. L.; COOK, L. L. Latent trait models and their use in the analysis of educational test data 1, 2, 3. Journal of Educational Measurement, v. 14, n. 2, p. 75-96, 1977.

HESSEN, J. Teoria do conhecimento. Lisboa: Amandio Editor, 1970.

HOWIE, E. K.; PATE, R. R. Physical activity and academic achievement in children: A historical perspective. Journal of Sport and Health Science, v. 1, p. 160-169, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios – síntese de indicadores. Brasília, 2014.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

INEP; MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Censo Escolar 2015 – Notas Estatísticas. Brasília, mar. 2016.

IRELAND. Department of Education and Skills. Active Schools Flag. s. d. Disponível em: <http://activeschoolflag.ie/>. Acesso em: 29 nov. 2015.

KNAPP, B. Skill in Sport. Londres: Routledge, 1963.

LIEBERMAN, D. E. A história do corpo humano. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.

MANOEL, E. de J. A abordagem desenvolvimentista da educação física escolar – 20 anos: uma visão pessoal. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 19, n. 4, p. 473-488, 2008.

MANOEL, E. de J. et al. Descriptive note on maternal handling practices of Brazilian mothers. Boletim AÇÃO, v. 1, n. 4, p. 3-7, 2016.

MATURANA, H.; VARELA, F. El arbol del conocimiento. Santiago: Universidad de Chile Editora, 1987.

NAHAS, M. V.; GARCIA, L. M. T. Um pouco de história, desenvolvimentos recentes e perspectivas para a pesquisa em atividade física e saúde no Brasil. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 135-148, jan./mar. 2010.

NIKE INC. Designed to Move active schools: a practical guide for school leaders. 2015. Disponível em: < http://e13c7a4144957cea5013-f2f5ab26d5e83af3ea377013dd602911.r77.cf5.rackcdn.com/resources/pdf/en/full-report.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2015.

NORTHERN IRELAND BOAR D OF EDUCATION. Active Schools Flag. 2015. Disponível em: <http://activeschoolflag.ie/>. Acesso em: 29 nov. 2015.

OLSEN, W. C. Developmental theory and education. In: HARRIS, D. B.; editor. The concept of development:an issue in the study of human behavior. Minneapolis: The University of Minnesota Press, 1957.

PNUD; INEP. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Caderno de Desenvolvimento Humano sobre Escolas Ativas no Brasil. Brasília: PNUD: INEP, 2016.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. O que é desenvolvimento humano?s.d. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/IDH/DesenvolvimentoHumano.aspx?indiceAccordion=0&li=li_DH>. Acesso em: 23 de jan. 2013.

ROBEYNS, I. The Capability Approach. In: ZALTA, E. N.; editor. The Stanford Encyclopedia of Philosophy.Winter 2016 Edition. Disponível em: <http://plato.stanford.edu/archives/win2016/entries/capability-approach/>.

SACKS, O. A leg to stand on. New York: Touchstone, 1993.

SENADO FEDERAL. Comissão de Educação, Cultura e Esporte. Relatório no. 19, de Avaliação de Públicas sobre Educação em Tempo Integral (Programa Mais Educação). 2015. Disponível em: <http://www19.senado.gov.br/sdleg-getter/public/getDocument?docverid=fe73dba8-9f17-498a-a-9c3-c720ae1a6f01;1.0>. Acesso em: 26 mar. 16.

SOAR ES, C. L. Educação física – raízes europeias e Brasil. 2ª edição revista. Campinas: Autores Associados, 2001.

______. Imagens da educação no corpo. 2ª edição revista. Campinas: Autores Associados, 2002.

SCOTLAND. SportScotland. Active Schools: more and better opportunities for young people in sport. Active schools booklet, 2012.

______. SportScotland. Active Schools Evaluation Report, 2014.

SOLNIT, Rebecca. A história do caminhar. São Paulo: Martins Fontes, 2016, p. 431.

TEIXEIRA, A. Uma experiência de educação primária integral no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 38, n. 87, jul./set. 1962. p. 21-33. Disponível em: <http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/artigos/uma.html>. Acesso em: 15 de dez. 2016.

TOMPORO WSKI, P.; LAMBOURNE, K.; OKUMURA, M. S. Physical activity interventions and children’s mental function: An introduction and overview. Preventive Medicine, v. 52, p. S3-S9, 2011.

VARELA, F. Ethical know-how: Action, wisdom, and cognition. Stanford: Stanford University Press, 1999.

WADDINGTON, C. H. The strategy of the genes. Londres: George Allen & Unwin, 1957.

 

Capítulo 8

ALMEIDA, B. S.; MARCHI JÚNIOR, W. Comitê Olímpico Brasileiro e o financiamento das confederações brasileiras. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 33, n.1, p. 163-179, jan./ mar. 2011.

ATHAYDE, P. F. A. O ornitorrinco de chuteiras: determinantes da política de esporte do governo Lula e suas implicações sociais [tese de doutorado – Programa de Pós-graduação em Política Social]. Brasília: Departamento de Serviço Social/Instituto de Ciências Humanas – UnB, 2014. APO. Autoridade Pública Olímpica. História. S.d. Disponível em: <http://www.apo.gov.br/index.php/historia/>. Acesso em: 12 jun. 2016.

BETTI, M. Educação Física e Sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BRACHT, V. Educação física: conhecimento e especificidade. In: SOUSA, E. S.; VAGO, T. M.; (Orgs.). Trilhas e partilhas: educação física na cultura escolar e nas práticas sociais. Belo Horizonte: Cultura, 1997.

______. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. 3ª edição. Ijuí: Editora Unijuí, 2005.

BRASIL. Lei no 9.615, de 24 de marco de 1998. Institui normas gerais sobre desporto e da outras providencias. Diário Oficial, Brasilia, DF, 02 set. 1998.

______. BRASIL. Ministério do Esporte. Política Nacional do Esporte. Brasília: Governo Federal, Ministério do Esporte, 2005.

______. Ministério do Esporte. II Conferência Nacional do Esporte. Texto II: Fundamentação sobre o Sistema Nacional de Esporte e Lazer. Brasília: Ministério do Esporte, 2006.

______. Caderno 1 – Esporte, lazer e desenvolvimento humano. Brasília: Ministério do Esporte, 2010a.

______. Ministério do Esporte. Documento final da III CNE. Brasília: Ministério do Esporte, 2010b.

______. Ministério do Esporte. Balanço da gestão do Ministério do Esporte: 2003 a 2010. Brasília: Ministério do Esporte, 2011.

______. Portal do Brasil. Sistema S é forte aliado do empresário na capacitação de trabalhadores. 2012. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/educacao/2012/02/sistema-s-e-estrutura-educacional-mantida-pela-industria>. Acesso em: 15 dez. 2015.

______. Ministério do Esporte. Bolsa Atleta. 2013. Disponível em: <http://www2.esporte.gov.br/snear/bolsaAtleta/default.jsp>. Acesso em: 18 maio 2016.

______. Ministério da Educação. Manual operacional de educação integral – 2013/2014. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/35885-manual-operacional-da-educacao-integral>. Acesso em: 05 fev. 2016.

______. Ministério do Esporte. Programa Segundo Tempo: Diretrizes 2014. Brasília, 2014. Disponível em: <http://www.esporte.gov.br/arquivos/snelis/segundoTempo/Diretrizes%20PST%20-%20
Padro%202014.pdf>. Acesso em: 20 out. 2016.

______. Ministério do Esporte. Caderno 1 – Diagnóstico nacional do esporte. Brasília: Ministério do Esporte, 2015a.

______. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. O que é o PPA? 2015b. Disponível em: <http://www.planejamento.gov.br/servicos/faq/planejamento-governamental/plano-plurianual-ppa/o-que-eacute-o-ppa>. Acesso em: 22 mar. 2016.

______. Ministério da Cultura. Minc e ministérios parceiros iniciam encontros regionais para fortalecer o funcionamento das praças céus. 18 maio 2015c. Disponível em: <http://www.cultura.gov.br/noticias-destaquesX3xlR9iTn/content/minc-e-ministerios-parceiros-iniciam-encontros-regionais-para-fortalecer-o-funcionamento-das-pracas-ceus/10883>. Acesso em: 20 nov. 2016.

______. Portal Brasil. Ministério da Educação. MEC aprova construção de 10 mil novas quadras esportivas. 20 mar. 2015d. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/03/mec-aprova-construcao-de-10-mil-novas-quadras-esportivas>. Acesso em: 22 nov. 2016.

______. Portal da Transparência do Governo Federal. Controladoria-Geral da União. Transparência – Rio 2016. 2016a. Disponível em: <http://www.portaldatransparencia.gov.br/rio2016/>.

______. Ministério do Esporte. Portaria no. 01/2016 – Diretrizes da Rede Nacional de Treinamento. 2016b. Disponível em: <http://www.esporte.gov.br/arquivos/snear/redenacionaltreinamento/02_09_2016_Portaria_n_01-01_08_2016-diretrizes_da_Rede_Nacional_de_Treinamento.pdf>.

______. Ministério da Defesa. Rio 2016: Alunos do Forças no Esporte participam do revezamento da Tocha Olímpica, 05 abr. 2016c. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br/index.php/noticias/19551-rio-2016-alunos-do-forcas-no-esporte-participam-do-revezamento-da-tocha-olimpica>. Acesso em: 05 nov. 2016.

______. Portal Brasil. Ministério da Defesa. Programa federal contribui para bom desempenho de atletas nos Jogos Olímpicos. 17 ago. 2016d. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/defesa-e-seguranca/
2016/08/programa-federal-contribui-para-bom-desempenho-de-atletas-nos-jogos-olimpicos>.
Acesso em: 24 nov. 2016.

______. Ministério do Esporte. Lei de Incentivo ao Esporte. 2017. Disponível em: <http://www.esporte.gov.br/index.php/institucional/secretaria-executiva/lei-de-incentivo-ao-esporte>.

______. Ministério da Educação. Programa Segundo Tempo. s. d. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_ docman&view=download&alias=15774-ept-relatorio- 06062014&Itemid=30192>. Acesso em: 15 nov. 2016.

______. Portal da Legislação. s. d. Disponível em: <http://www4.planalto.gov.br/legislacao>.

_______. Sistema Eletrônico do Serviço de Informação ao Cidadão – e-SIC. s. d. Disponível em: <https://esic.cgu.gov.br/sistema/site/index.aspx>. Acesso em: 11 mar. 2017.

BUENO, L. Políticas públicas de esporte no Brasil: razões para o predomínio do alto rendimento [tese de doutorado]. São Paulo: Faculdade Getúlio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo, 2008.

BULO S, U. L. Curso de direito constitucional. São Paulo: Saraiva, 2007.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Orçamento da União. PPA – Plano Plurianual. s. d. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/orcamento-da-uniao/leis-orcamentarias/ppa

CASTELLANI FILHO, L. Educação física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus, 1988.

CASTELLANI FILHO, L. O Estado Brasileiro e os Direitos Sociais: O Esporte. In: HÚNGARO , E. M.;

DAMASCENO, L. G.; GARCIA, C. C.; (Orgs.). Estado, política e emancipação humana: lazer, educação, esporte e saúde como direitos sociais. Santo André: Alpharrabio, 2008, p. 129-144.

CASTELLANI FILHO, L.; (Org.). Gestão pública e política de lazer: a formação de agentes sociais. Campinas: Ed. Autores associados, 2007.

CEF. Caixa Econômica Federal. Repasses Sociais: o que é? s. d. Disponível em: <http://www.loterias.caixa.gov.br/wps/portal/loterias/landing/repasses-sociais/>. Acesso em: 12 jun. 2016.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE DO SENADO FEDERAL. Relatório nº 16. Avaliação de políticas públicas: Programa Bolsa Atleta. Brasília, 2015.

COSTA, L. P. Diagnóstico de Educação Física/Desportos no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura/Fundação Nacional do Material Escolar, 1971.

______. (Org.). Atlas do esporte. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

DAMO, A. S. Para o que der e vier: o pertencimento clubístico no futebol brasileiro a partir do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e seus torcedores [dissertação de mestrado em Antropologia]. Porto Alegre: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas – UFRG S, 1998, 247f.

FERES NETO, A. F.; VIEIRA, L. R.; ATHAYDE, P. F. Estado, poder e programas sociais: PELC e o Governo Lula. In: FIGUEIRA, D.; FERES NETO, A.; (Orgs.). Esporte e lazer: a cidadania em construção. Brasília: Thesaurus, 2012.

HOBSBAWM, E. J. Introdução: a invenção das tradições; A produção em massa das tradições: Europa 1879 a 1914. In: HOBSBAWM, E; RANGER, T. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

______. A era do capital: 1848-1875. 4ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Inventário da infraestrutura desportiva brasileira. Brasília: Ministério do Esporte e Turismo/Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto, 2000.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa do esporte 2003. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 2000/2060 e projeção da população das unidades da federação por sexo e idade para o período 2000/2030. Revisão 2013. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil 2010. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv62841.pdf>. Acesso em: 13 out. 2016.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. s. d. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/>. Acesso em: 14 out. 2016.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Práticas de esporte e atividade física: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PIB – Valores Correntes. 2017b. Disponível em: <http://brasilemsintese.ibge.gov.br/contas-nacionais/pib-valores-correntes.html>. Acesso em: 15 jun. 2017.

KASZNAR, I. Sistema nacional do esporte em construção: sistemas públicos de dados financeiros nacionais. 2015. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cespo/seminarios-e-outros-eventos/seminarios-2015/24-06-2015-2013-sistema-nacional-do-esporte-em-construcao-sistemas-publicos-nacionais-e-modelos-esportivos-internacionais/diesporte-2013-financiamento>. Acesso em: 15 ago. 2016.

LINHALES, M. A. A Trajetória Política do Esporte no Brasil: interesses envolvidos, setores excluídos [dissertação de mestrado em Ciência Política]. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas – UFMG, 1996, 242f.

MANHÃES, E. D. Política de Esportes no Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

MASCARENHAS, F. Outro lazer é possível! Desafio para o esporte e o lazer da cidade. In: CASTELLANI FILHO, Lino. Gestão pública e política de lazer: a formação dos agentes sociais. Campinas: Autores Associados, 2007.

______. Megaeventos esportivos e Educação Física: alerta de tsunami. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 01, p. 39-67, jan./mar. 2012.

MATIAS, W. B. M. et al. A lei de Incentivo Fiscal e o (não) direito ao esporte no Brasil. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 95-110, jan./mar. 2015.

MATIA S, W. B. O enigma olímpico: o controvertido percurso da política esportiva no governo Lula [dissertação de mestrado]. Brasília: Faculdade de Educação Física – Universidade de Brasília, 2013, 199f.

MAZZEI, L. C. et al. Política do esporte de alto rendimento no Brasil: análise da estratégia de investimentos nas confederações olímpicas. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v. 14, n. 2, p. 58-73, 2014.

MEIRA, T. B.; BASTOS, F. C.; BOHME, M. T. S. Análise da estrutura organizacional do esporte de rendimento no Brasil: um estudo preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 251-262, abr./jun. 2012.

MONTAÑO, C.; DURIGUETTO, M. L. Estado, classe e movimento social. 1ª edição. São Paulo: Cortez, 2010.

MOTA, P. H. S.; VIANA, A. L. D.; BOUSQUAT, A. Relações federativas no Programa Saúde da Família: estudo de dois municípios paulistas. Saúde debate, Rio de janeiro, v. 40, n. 108, p. 64-73, jan. /mar. 2016.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia Política: uma introdução crítica. 5ª edição. São Paulo: Cortez, 2009.

NOGUEIRA, M. A. Educação, saber, produção em Marx e Engels. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1990.

PASQUALI, D. et al. A Indústria do Fitness e seu desenvolvimento desigual: um estudo sobre as academias de ginástica na cidade de Goiânia. Pensar a Prática, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 1-15, maio /ago. 2011.

REGINI, M. Neocorporativismo. In: BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. Volume 2. Brasília: UnB, 2009.

REIS, H. H. B. dos; MARTINS, M. Z. Poder, transparência e democracia nas gestões esportivas. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

REIS, N. S. Políticas de esporte educacional nos governos Lula e Dilma: avanços, limites e anacronismos [dissertação de mestrado]. Brasília: Faculdade de Educação Física – Universidade de Brasília, 2015, 209f.

REQUIXA, R. O lazer no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1977.

SALVADOR, E. Financiamento tributário da política social no pós-Real. In: SALVADOR, E. et al.; (Orgs.). Financeirização, fundo público e política social. São Paulo: Cortez, 2012, p. 123-152.

SENADO FEDERAL. Portal SIGA Brasil. s. d. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/orcamento/sigabrasil>.

SOARES, Carmen Lúcia. Educação física: raízes européias e Brasil. 5 ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

TEIXEIRA, M. R.; MATIAS, W. B.; MASCARENHAS, F. O financiamento do esporte olímpico no Brasil: uma análise do ciclo de Londres (2009-2012). In: MATIAS, W. B.; ATHAYDE, P. F.; MASCARENHAS, F. Políticas de esporte nos anos Lula e Dilma. Brasília: Thesauros, 2015.

TCU. Tribunal de Contas da União. Relatório de auditoria operacional – Esporte de Alto Rendimento. Brasília: Tribunal de Contas da União, 2011.

______. Relatório de levantamento de auditoria – Sistema Nacional do Desporto. Brasília: Tribunal de Contas da União, 2014.

UE. Comissão Europeia. Special Eurobarometer 412: Sport and physical activity. Bruxelas, 2014.

VAGO , T. M. A educação física na cultura escolar: discutindo caminhos para a intervenção e a pesquisa. In: BRACHT, V.; CRISORIO, R.; (Orgs.). A educação física no Brasil e na Argentina: identidade, desafios e perspectivas. Campinas: Autores Associados; Rio de Janeiro: PRO SUL, 2003.

VERO NEZ, L. F. C. Quando o Estado joga a favor do privado: As políticas de esporte após a Constituição Federal de 1988 [tese de doutorado em Educação Física]. Campinas: Faculdade de Educação Física – UNICAMP, 2005, 370f.

Capítulo 9

CEPAL. Economic Commission for Latin America and the Caribbean Annual report on regional progress and challenges in relation to the 2030 Agenda for Sustainable Development in Latin America and the Caribbean. Santiago: CEPAL, 2017.

COMERLATTO, D. et al. Gestão de políticas públicas e intersetorialidade: diálogo e construções essenciais para os conselhos municipais. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 265-271, 2007.

UNDG. United Nations Development Group. Mainstreaming the 2030 Agenda for Sustainable Development – Reference Guide to UN Country Teams. 2017. Disponível em: <https://undg.org/wp-content/uploads/2017/03/UNDG-Mainstreaming-the-2030-Agenda-Reference-Guide-2017.pdf>.

ISPAH. Declaração de Banguecoque sobre Atividade Física para a Saúde Global e Desenvolvimento Sustentável. In: 6º Congresso de Atividade Física e Saúde Pública. Banguecoque, 16-19 nov. 2016. Disponível em: <https://static1.squarespace.com/static/559a3ff1e4b0b0193b9d9862/t/59263c8ec534a59e69849ffd/1495678097351/master+bkk+Portuguese-JM-270317+clean.pdf>. Acesso
em: 05 jan. 2017.

JUNQUEIRA, L. A. P. Descentralização, intersetorialidade e rede como estratégias de gestão da cidade. Revista FEA-PUC-SP, São Paulo, v. 1, p. 57-72, nov. 1999.

LOBATO, L. de V. C. Dilemas da institucionalização de políticas sociais em vinte anos da Constituição de 1988. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, mai./jun. 2009.

PALMA, A. Como as AFES podem ser articuladas a uma abordagem multidimensional alinhada com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável? Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

PEREIRA, K. Y. de L.; TEIXEIRA, S. M. Redes e intersetorialidade nas políticas sociais: reflexões sobre sua concepção na política de assistência social. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 114 – 127, jan./ jun. 2013.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Os objetivos do Desenvolvimento Sustentável: dos ODM aos ODS. 2015. Disponível em: <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/post-2015.html>. Acesso em: 11 fev. 2016.

______. Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo. Informe Regional sobre Desarrollo Humano para America Latina y Caribe – Progreso Multidimensional: bienestar más allá del ingreso. Nueva Iorque: PNUD, 2016.

RAMAG EM, R. D. Desafios para a coordenação intersetorial e intergovernamental para a promoção do desenvolvimento territorial no Brasil. In: XVIII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. Montevideo, 29 oct. 1 nov. 2013.

RECHIA, S. Atividades físicas e esportivas e as cidades. Background paper. Brasília: PNUD, 2017.

SANTOS, N. N. dos. A intersetorialidade como modelo de gestão das políticas de combate à pobreza no Brasil: O Caso do Programa Bolsa Família no município de Guarulhos [dissertação de mestrado]. Martes, A. C. B.; orientadora. São Paulo: Escola de Administração de Empresas de São Paulo, 2011.

SERAFIM, L.; TEIXEIRA, A. C. C. Repente: participação popular na construção do poder local – Controle Social das Políticas Públicas, Polis – Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais, n. 29, ago. 2008.

SCHRAIBER, L. B. et al. Planejamento, gestão e avaliação em saúde: identificando problemas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, 1999.

SOUZA, C. “Estado do campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, 2003.

UN. United Nations. Transforming our world: the 2030 Agenda for Sustainable Development. 2015. Disponível em: <https://sustainabledevelopment.un.org/post2015/transformingourworld>. Acesso em: 12 mar. 2016.

UNDP. United Nations Development Programme. Human Development Report 2016 – Human Development for Everyone. New York: UNDP, 2016.

Capítulo 10

BIELEMANN R. M. et al. Impacto da inatividade física e custos de hospitalização por doenças crônicas. Revista de Saúde Pública, v. 49, n. 75, 2015.

REZENDE L. F. et al. Effect of physical inactivity on major noncommunicable diseases and life expectancy in Brazil. Journal of Physical Activity & Health, v. 12, n. 3, p. 299-306, 2015.

SEN, A. A ideia de justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.